Seja preguiçoso

Este texto foi publicado originalmente no LinkedIn.


Siga o podcast no Spotify.

v1.3 – Seja preguiçoso – como ser mais produtivo(a) e eficaz desenvolvendo software Release

Nesses anos todos desenvolvendo software e observando outros desenvolvedores menos experientes, eu percebi 3 tipos de desenvolvedores. Veja se você se identifica com algum deles.  Leia o post no blog – https://blog.evandroamparo.com/2021/07/28/seja-preguicoso/  Entre na lista para não perder os próximos conteúdos: https://evandroamparo.orbitpages.online/newsletter #desenvolvedor #desenvolvedora #desenvolvedores #software #produtividade — Send in a voice message: https://anchor.fm/release-evandro-amparo/message

Nem todo desenvolvedor de software trabalha do mesmo jeito, o que é bom, por um lado.

Mas pode não ser, dependendo da situação. Deixa eu explicar.

Nesses anos todos desenvolvendo, e também observando outros desenvolvedores menos experientes, eu percebi 3 tipos de desenvolvedores.

O faz-tudo

Não é aquele cara que programa, dá suporte e ainda conserta as impressoras. Já passei por isso (tirando a parte das impressoras).

O faz-tudo escreve código demais, tenta reinventar a roda. Às vezes para mostrar serviço ou por pura inexperiência mesmo.

Por exemplo, se você não conhece bem as bibliotecas da linguagem em que está programando, corre o risco de reescrever algo que já está pronto.

Para piorar, dificilmente o seu código vai ser mais eficiente do que uma biblioteca que já foi testada exaustivamente.

O pensador

É aquele que até entende o problema a ser resolvido mas não consegue traduzi-lo numa solução em forma de software, num algoritmo.

Ele sabe o que tem que ser feito, mas não consegue chegar lá porque ainda não aprendeu a pensar como desenvolvedor. 

Resultado: fica horas ‒ às vezes, dias ‒ pensando numa solução mas não consegue implementar. Quase sempre precisa de alguma orientação para sair do lugar.

Geralmente está no nível de estagiário ou desenvolvedor bem no começo da carreira. 

O preguiçoso

Esse é o que eu procuro ser. Não é preguiça de trabalhar, ou de quebrar a cabeça para tentar achar uma solução.

“Desenvolvedor bom é desenvolvedor preguiçoso”

Ouvi essa frase uma vez há muito tempo. Ser preguiçoso aqui quer dizer trabalhar de forma que seu esforço seja o menor possível. Assim você estará aproveitando melhor seu tempo.

tempo vale mais que dinheiro, porque você não o recupera depois.

Então não tenha medo de pesquisar para ver se alguém já resolveu o mesmo problema antes. 

Também não tenha medo de pedir ajuda. Tentar resolver sozinho é legal mas pode te levar a ficar travado quando poderia resolver mais rápido.

Em outras palavras, a síndrome do faz-tudo pode te transformar num pensador.

O preguiçoso busca uma solução que tenha um custo menor, que seja mais prática ou mais rápida. Ele reaproveita código, dele mesmo e dos outros. Faz o possível para não desrespeitar o princípio DRY.

Sempre vale a pena ter um pouco mais de trabalho agora para ter um código mais fácil de manter depois.

Você se identificou com algum desses perfis? Deixe seu comentário.


Créditos das imagens:

Kewal on Unsplash

Tim Gouw on Unsplash

Stefan Steinbauer on Unsplash

Csaba Balazs on Unsplash

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.